O retorno das oferendas

Por Bruno Rezende.

coluna zero, meio ambiente, consumo consciente, poluição dos oceanos, oferenda, comportamento

Muitos tiveram a oportunidade de entrar 2010 à beira-mar, curtindo a queima de fogos regado a muito espumante e iguarias típicas de final de ano. Alguns aproveitaram para agradecer e fazer vários pedidos a Iemanjá lançando ao mar flores e os tradicionais barquinhos com suas oferendas.
Na última sexta-feira, uma semana após a festa em Copacabana, me aventurei a dar um mergulho na altura do Posto 4 e tive uma desagradável surpresa. Iemanjá estava devolvendo as oferendas jogadas para ela. Tinha de tudo, flores apodrecidas, pentes, sabonetes, tecidos, fitas, tampinhas, frascos, pedaços de plástico e de madeira dos barquinhos, e mais alguns objetos que não identifiquei, apenas pisei. Não serei injusto de dizer que encontrei apenas oferendas, pois o que mais me incomodou mesmo foram copinhos, garrafas plásticas e diversas tampinhas e rolhas, além do mau cheiro.

Os garis da COMLURB (Companhia Municipal de Limpeza Urbana) ficam por conta da limpeza da areia após a festa, mas somente na areia. O que está no mar, como pude constatar, fica no mar. Apenas alguns resíduos leves são expelidos, grande parte afunda ou é arrastada para o oceano através das correntezas.

Os radicais vão achar que a solução é dar um castigo em Iemanjá e proibir os fiéis de lançar seus barquinhos com oferendas. De jeito nenhum, a festa é muito bonita, sem contar que é uma tradição que faz parte da nossa cultura. Minha proposta de solução para o próximo reveillon é reinventar os presentes, substituindo os pentes, frascos de perfume, espelhos e demais oferendas criativas por outras biodegradáveis, além de barquinhos feitos de material biodegradável que se desintegre mais rapidamente.

Acredito que Iemanjá e todos os orixás agradecerão pela atitude, até porque segundo a crença eles são os guardiões da natureza. Assim eles param de nos devolver os presentinhos de grego que oferecemos todos os anos a eles.

Os banhistas também agradecem.


Pin It now!





16 comentários:

ElcioFernando disse...

Bruno, belo post.
É uma pena que algumas tradições insistem em machucar o meio ambiente. Já passou da hora da população ser mais inteligente.

Ana Lucia Nicolau disse...

acho um absurdo esse lance de jogar coisas no mar, mesmo que seja para manter uma tradição religiosa...
abs

Edson Cacimiro disse...

Copacabana já não lá essas coisas de limpeza,com essa 'sujeira' devolvida então...mas a ideia das oferendas 'biodegradáveis pode ser uma boa...

colunazero@gmail.com disse...

Concordo Elcio, tá mais que na hora de começar a enxergar os fatos.

Obrigado pelo comentário.

Grande abraço,

Bruno RZ.

colunazero@gmail.com disse...

Olá Ana Lucia.

Também acho estranho, mas é uma tradição. Através de pequenos ajustes é possível manter este hábito sem prejudicar o meio ambiente e os banhistas.

Obrigado pelo comentário.

Abraços,

Bruno RZ

colunazero@gmail.com disse...

Pois é Edson, curtir praia em Copacabana é se aventurar.

A praia só não é interditada por causa dos gringos, se não fosse eles Copacabana estaria na mesma lista negra que as praias do Flamengo, Botafogo e São Conrado.

E nadar entre oferendas só aumenta a aventura.

Abraços,

Bruno RZ.

torquato.daniel disse...

Cara Parabens pelo Post, Inteligentemente Critico.
Hoje se discuti muito nas religiões de Matriz Africana a utilização de Produtos Biodegradaveis. No Lugar de copos e pratos tem sido utilizados folhas e "quengas" de coco, por exemplo. Parabens Mais uma vez pelo belo post questionador, mas respeitoso

Gustavo D. Castro disse...

Que nojo... credo... Tipo é uma poluição descarada né?.... fala serio!

william haddad disse...

eu sou Umbandista e zelador de santo tenho a honra de trabalhar com o senhor RUBENS SARACENI do COLÉGIO DE UMBANDA SAGRADA PAI BENEDITO DE ARUANDA
e digo que a idéia de produtos bio degradáveis é uma ótima idéia e veja com bons olhos.
o mar as tartarugas e todo meio ambiente agradecem e os DIVINOS ORIXÁS tb

william haddad disse...

o que mais gostei fora a idéia foi o tom respeitoso e amoroso que este gracioso tópico explanou-se.
parabéns ao redator e equipe.....


OLORUM E OS DIVINOS ORIXÁS ABÊNÇOAM

colunazero@gmail.com disse...

Olá Daniel.
Que bacana já estarem utilizando esses materiais. Pena que aqui no Rio ainda não aderiram ao movimento.

Obrigado pelo comentário.

Abraços,

Bruno Rezende.

colunazero@gmail.com disse...

William, é um enorme prazer receber seu comentário.
Nada melhor que um Umbandista para participar deste post. Agradeço pelo elogio e por ter entendido o sentido desta postagem, que não tem o intuito de criticar uma tradição tão bonita, e sim, abrir um espaço para repensar algumas atitudes.

Forte abraço,

Bruno Rezende.

Luísa disse...

Olá Bruno!

Penso que a tua proposta é excelente. As tradições devem adaptar-se às necessidades e cultivarem-se, visto ser lá que estão as nossas raízes.

Abraços
Luísa

colunazero@gmail.com disse...

Exatamente Luísa.

Além do mais, nem é tão radical a mudança, só pequenas alterações para o bem de todos.

Obrigado pelo comentário.

Grande abraço,

Bruno RZ.

Video Prodcution House disse...

I believe there are guardians of Mother Earth.. actually we humans are entrusted to be the stewards. however most of us are abusers of this gift. there are quite a lot of a music video production that uses this theme. I can remember Enigma's The return to innocence.

CCCRN disse...

Tudo que arriamos na praia após a Gira colocamos em saco de lixo......
Lugar de lixo é no lixo
CCCRN
PP

Postar um comentário